«

»

dez 16

Imprimir Post

Poema: Firulas da Língua

Adoro as FIRULAS DA LÍNGUA
Da minha Língua
E da sua Língua também:
Eu sou PARADOXAL de carteirinha,
Admiro a METONÍMIA
Por isso adoro ler Machado de Assis
Mas não sou romancista, sou Poeta
E digo que o Sol hoje amanheceu triste.
Assim a PERSONIFICAÇÃO me persegue e me atormenta,
Mas vejam que a HIPÉRBOLE,
Mostra o grau de minha dramaticidade
Ai eu derramo rios de lágrimas….
Mas de todas as firulas de minha língua,
Eu me alimento da MÉTAFORA,
Metaforizo as coisas:
Você,
O amor,
A vida…
O que seria de mim se não fosse as voltas
Que a minha língua dar?
Para falar e entender a língua dos anjos,
A língua dos homens…
Eu nada seria.

Aldemir Seixas
Envie seu poema, conto ou crônica para publicação no site Voz de Areia Branca. E-mail: [email protected] Leia outras Poemas e Poesias enviados pelos leitores de Voz de Areia Branca

Link permanente para este artigo: http://vozdeareiabranca.com.br/2012/12/16/poema-firulas-da-lingua/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>